Oficina de conto

O poder das palavras

O poder das histórias.

 

0_smmUT0tI_h6BYJu7

              La Loba

     Existe uma velha que vive num lugar oculto de que todos sabem, mas poucos já viram. Como nos contos de fadas da Europa oriental, ela parece esperar que cheguem até ali pessoas que se perderam, que estão vagueando ou à procura de algo.
      Ela é circunspecta, quase sempre cabeluda e invariavelmente gorda, e demonstra especialmente querer evitar a maioria das pessoas. Ela sabe crocitar e cacarejar, apresentando, geralmente mais sons animais do que humanos.
Dizem que ela vive entre os declives de granito decomposto no território dos índios tarahumara. Dizem que está enterrada na periferia de Phoenix, perto de um poço.
Dizem que foi vista viajando para o sul,  para o Monte Alban num carro incendiado com a janele traseira arrancada.
Dizem que fica parada na estrada  perto de El paso, que pega carona aleatoriamente com caminhoneiros até Morelia, México,ou que foi vista indo para a feira acima de Oaxaca, com galhos de lenha de estranhos formatos nas costas.
Ela é conhecida por muitos nomes:
La Huesera, a mulher dos Ossos;
La Trapera,  a Trapeira;

La  Loba, a Mulher Lobo.

“la Loba” tem outros nomes: Se chamam Marias, Teresas,  Joanas, Anas, Lidias e tantos outros que bem conhecemos, em lugares  aqui e acolá.
      O único trabalho de La Loba é o de recolher ossos. sabe-se que ela recolhe e conserva especialmente o que corre o risco de se perder para o mundo.
Sua caverna é cheia dos ossos de todos os tipos de criaturas do deserto: o veado, a cascavel, o corvo.
Dizem…

Na história , La Loba canta sobre os ossos  que reuniu. Cantar significa usar a voz da alma , Significa sussurrar a verdade do poder e da necessidade de cada um, soprar alma sobre o que está doente ou precisando de restauração.      Estés

maxresdefault
Precisamos falar sobre os nossos ossos e profetizar vida autêntica. Dar voz aos nossos anseios e dar voz ao nosso silêncio.

 

  As histórias se repetem, os mitos acompanham o homem contando e recontando padrões de comportamentos ,  padrões culturais, inícios e términos, de forma que haja conhecimento, transformação de vidas, regeneração.
Esse caminhar pela vida, com nossas questões  pessoais e muito humanas, mostra-nos que precisamos  deixar morrer o que está morto  e cantar sobre esses  padrões limitantes(ossos secos) e muitas vezes cruéis, fazendo-nos reviver, reiniciando uma vida viva , de fato.
Esse transformar e cantar sobre ossos, sobre o que está apodrecido e morto se refere aos homens e mulheres e na forma como se colocam diante de suas vidas.
Cantar um canto “hondo”, como fala  Clarissa Estés, em Mulheres que correm com lobos,   se refere a um canto profundo da alma.
       É sobre palavra de poder e transformação  que estamos falando  agora.
           Desse exercício de vida-morte-vida contínuo, de inícios e finais, de crescimento e renovação.
Às mulheres, digo que buscar esse canto”hondo”, profundo de alma, é buscar suas próprias iniciativas, fazer suas escolhas, correr pelos desfiladeiros da vida, ao encontro do feminino autêntico e profundo.
Podemos, ainda, falar muito sobre isso, certo!?
Vá lá nos comentários e conversa com a gente.
Marca as suas amigas e amigos ou compartilha com alguém que pode tirar proveito desse conteúdo
Por Lidia de Jesus
Fonte:Mulheres que correm com os Lobos
              Clarissa Pinkola Estés
 https://medium.com/@renataarrudahttps:
//www.youtube.com/watch?v=momDTl_F8Xo
Mariana Bandarahttps:
//www.facebook.com/simtalvezsej…
@simtalvezsejaisso

Arteterapia Felicidade Grupo terapêutico Psicologia junguiana Relacionamentos Sem categoria terapia

soviver Visualizar tudo →

Lidia de Jesus (Arteterapeuta) e Grazielle Jesus (Psicóloga). Empenhadas em falar (e ouvir) sobre o VIVER e contribuir para a construção de novas ações que possibilitem melhorias na qualidade de vida das pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: