Vamos fazer uma conta?

Dois mil vezes zero é …

Sempre igual a zero!

 

Imagine-se com:

Intensidade

Carinho

Amor

Respeito

Sonhos

Fidelidade

Expectativas

E te digo que não adianta ter tudo isso para dar se não houver reciprocidade.

Sem ela, é como viver junto e estar só, empregando forças em algo sem retorno,

empurrando sozinho um carro que está sem rodas para liberar a estrada.

Gasta-se energia e o carro não sai do lugar.

E a tendência é que você se canse ou até se machuque esperando conseguir movimentar o carro quando, na verdade, ele dificilmente vai sair do lugar.

Então, o que é possível fazer?

Avaliar a situação em que você vive, “fazendo as contas”, encarando o problema de frente, a fim de que se passe a lidar com a realidade e não com as projeções ou interpretações idealizadas do que se está vivendo.

Finalizo esta postagem com a seguinte frase:

“Não se acostume com o que te faz sofrer!”

Ao contrário, busque compreender o que te faz feliz, o que te faz sorrir, o que te acalma frente às situações conflituosas da vida.

Como sempre dizemos aqui em nosso sobreviver.blog, viver é (im)preciso! E, apesar de nem sempre as coisas saírem do jeito que a gente gostaria, essa tal imprevisibilidade pode ser muito melhor do que a gente imaginou.

Abraços,

graziGrazielle dos Santos Barbosa de Jesus

Psicóloga Cognitivo Comportamental – CRP 05/46825
Psicóloga, Professora, Apaixonada pela vida e pelas práticas que possibilitem a qualidade no viver.

Anúncios