*Por Grazielle Jesus

Assim como existem gostos diferenciados em relação ao que se prefere comer,  quando falamos sobre felicidade, acontece o mesmo.

Para alguns, ser feliz é ter dinheiro e poder comprar o que se quer,

para outros é estar na companhia de amigos

ou mesmo realizar-se profissionalmente

ou conseguir realizar um sonho, uma meta …

São tantos as situações e condições que podem gerar a felicidade que nos remetem ao fato de que não existe uma receita ou um padrão para a mesma.

O importante é pensar que se seu ideal de felicidade vem te trazendo sofrimento por não estar sendo possível concretizá-lo, é desejável realinhar as metas e expectativas pessoais, a fim de que os momentos sejam aproveitados de maneira flexível; ou seja,  quanto mais rígida for a sua noção de felicidade, mais chances você terá de estar insatisfeito com a sua realidade e com sua própria vida.

Em outras palavras, se você pensa “só serei feliz se tiver tal coisa” ou “quando estiver em determinada situação estarei feliz”, dentre outras ideias, a tendência é que você acabe perdendo as pequenas felicidades diárias em prol da busca incansável por uma “felicidade superior”.

graziGrazielle dos Santos Barbosa de Jesus

Psicóloga Cognitivo Comportamental – CRP 05/46825
Psicóloga, Professora, Apaixonada pela vida e pelas práticas que possibilitem a qualidade no viver.